Reconhecendo a Jesus Como Senhor das Suas Vidas e Salvador das Suas Almas - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Reconhecendo a Jesus Como Senhor das Suas Vidas e Salvador das Suas Almas

Mensagens Bíblicas
___________

Oséias 6:3

"Conheçamos e prossigamos em conhecer o SENHOR: como a alva, será a sua saída e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra."

Jesus Interroga os Seus Discípulos Sobre Ele Próprio 

(Mt 16:13-16)

"E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipo, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do Homem? E eles disseram: Uns, João Batista; outros, Elias, e outros, Jeremias ou um dos profetas. Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo."

INTRODUÇÃO

Notemos neste versículo a confusão que os contemporâneos do Senhor Jesus faziam a respeito dEle, mas, para que Sua Igreja fosse fundada, Ele precisava de resposta positiva, como foi a de Pedro: Tu és o Cristo, o Filho do Deus Vivo! Aleluia! Ainda hoje o Senhor Jesus precisa de homens e de mulheres que não façam confusão a Seu respeito, mas, que com convicção e uma fé viva nEle, em qualquer circunstância da vida possam sempre afirmar que Jesus é o Senhor de suas vidas e Salvador de suas almas. Ele não precisa de respostas evasivas, mas, positivas e incisivas. Com o coração cheio de dúvidas não se serve a Jesus como deve. Nele não há nada duvidoso, até mesmo porque Ele é a Verdade! Ele mesmo disse: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8:32). E disse mais o Senhor: "Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14:6).  (Lição em Lucas 7:37-50)

Quem é este, que até perdoa pecados? (49) Para alguns daqueles que faziam esta pergunta, o fato de Jesus perdoar pecados era possivelmente uma demonstração da sua natureza divina, e para outros era, sem dúvida, um obstáculo. Mas Jesus nunca permitiu que o perigo de ser mal interpretado o impedisse de demonstrar misericórdia ou de expressar o seu amor. 

Por isso, te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados (47). Estas são algumas das palavras mais preciosas que Jesus pronunciou - palavras que muitos pecadores já ouviram e com as quais muitas almas pecadoras se alegraram.
 
Os teus pecados te são perdoados (48). As palavras do versículo anterior foram pronunciadas a respeito da mulher, mas Jesus agora se voltou para ela. A tradução literal aqui é: “Os teus pecados foram perdoados.” Isto pode dar a entender que a mulher havia conhecido anteriormente o Senhor e se convertido, e nesta ocasião ela estava simplesmente demonstrando gratidão. Também é coerente com a parábola e a sua aplicação, pois na parábola o amor se segue ao perdão, e na aplicação a mulher demonstrou amor antes que fosse mencionada a garantia do perdão. Parece que Jesus está dando à mulher uma nova garantia, a completa certeza do perdão. 

A tua fé te salvou (50). Se, como parece, esta mulher converteu-se anteriormente, a fé a que Jesus se refere também foi anterior. Mas como a mulher confirmou o seu arrependimento e o seu amor, e como Jesus confirmou o seu perdão, a mulher demonstrou uma renovação da sua fé viva em Cristo. Certamente, a coragem que os seus atos demonstraram e a sua profunda sinceridade confirmam uma robusta fé, sem a qual aquelas ações não teriam sido possíveis. Sob o título “A Fé do Pecador” (texto, 50), Charles Simeon oferece a seguinte esquematização: Primeiro, As marcas e as evidências da fé dela; 1) o seu zelo; 2) a sua humildade; 3) a sua contriçãção; 4) o seu amor; 5) a sua confiança. Segundo, os frutos e as consequências da sua fé: 1) o perdão dos seus pecados; 2) uma garantia de que ela era aceita; 3) a felicidade e a glória eternas.

"Então, muitos da multidão, ouvindo essa palavra, diziam: verdadeiramente, este é o Profeta. Outros diziam: Este é o Cristo; mas diziam outros: Vem, pois, o Cristo da Galileia? Não diz a Escritura que o Cristo vem da descendência de Davi e de Belém, da aldeia de onde era Davi? Assim, entre o povo havia dissensão por causa dele."

Lição em João 7:32-53

32. Os fariseus ouviram que a multidão murmurava dele essas coisas; e os fariseus e os principais dos sacerdotes mandaram servidores para o prenderem. 33. Disse-lhes, pois, Jesus: Ainda um pouco de tempo estou convosco e, depois, vou para aquele que me enviou. 34. Vós me buscareis e não me achareis; e aonde eu estou vós não podeis vir. 35. Disseram, pois, os judeus uns para os outros: Para onde irá este, que o não acharemos? Irá, porventura, para os dispersos entre os gregos e ensinará os gregos? 36. Que palavra é esta que disse: Buscar-me-eis e não me achareis; e: Aonde eu estou, vós não podeis ir? 37. E, no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, que venha a mim e beba. 38. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. 39. E isso disse ele do Espírito, que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado. 40. Então, muitos da multidão, ouvindo essa palavra, diziam: Verdadeiramente, este é o Profeta. 41. Outros diziam: Este é o Cristo; mas diziam outros: Vem, pois, o Cristo da Galiléia?

42. Não diz a Escritura que o Cristo vem da descendência de Davi e de Belém, da aldeia de onde era Davi? 43. Assim, entre o povo havia dissensão por causa dele. 44. E alguns deles queriam prendê-lo, mas ninguém lançou mão dele. 45. E os servidores foram ter com os principais dos sacerdotes e fariseus; e eles lhes perguntaram: Por que o não trouxestes? 46. Responderam os servidores: Nunca homem algum falou assim como este homem. 47. Responderam-lhes, pois, os fariseus: Também vós fostes enganados? 48. Creu nele, porventura, algum dos principais ou dos fariseus? 49. Mas esta multidão, que não sabe a lei, é maldita. 50. Nicodemos, que era um deles ( o que de noite fora ter com Jesus ), disse-lhes: 51. Porventura, condena a nossa lei um homem sem primeiro o ouvir e ter conhecimento do que faz? 52. Responderam eles e disseram-lhe: És tu também da Galiléia? Examina e verás que da Galiléia nenhum profeta surgiu. 53. E cada um foi para sua casa.
 
37. Era o último dia da Festa dos Tabernáculos que durava sete dias (Lv 23:34), era um festival de ajuntamento do povo (Êx 23:16; 34:22). Era uma das três grandes festividades de peregrinação no ano judaico; era observada por sete dias, desde o décimo quinto, até o vigésimo segundo dia do sétimo mês. Tinha lugar no fim do ano, quando os trabalhadores no campo estavam reunidos, e era uma das três grandes festividades anuais nas quais, todo homem tinha de estar obrigatoriamente presente (Êx 23:14-17; 34:23; Dt 16:16.
 
Era ocasião de regozijo (Dt 16:14). Afinal de contas, era uma festa tradicional que estava acontecedo.
 
“E no último dia dessa grande festa, após todos oradores haverem se pronunciado, bem como todos os rituais da lei cumpridos, finalmente Jesus, o Filho de Deus, põe-se em pé no meio deles e expressa: se alguém dentre vós tiver sede, venha a mim e beba!” (Jo 7:37).
 
Um paradoxo? Não! Jesus estava como que um desconhecido, falando ao Seu povo do Seu Espírito Santo. Devido  essas palavras, surge o questionamento acima. E o prezado amigo já bebeu da água que Jesus de graça oferece ainda hoje?
 
As palavras de Filipe revelam que Ele não conhecia seu Mestre, mesmo convivendo com Ele: 
 
"Mostra-nos o Pai, o que nos basta, há tanto tempo estou convosco, e não me tendes conhecido, Filipe"? (Jo 14:8).

Jesus sabendo das perturbações, pelas quais Seus discípulos passariam, conforta-lhes o coração:

(Lição em João 14:1-10)

1. Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. 2. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.  3. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.  4. Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho.  5. Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?  6. Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.  7. Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto.  8. Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.  9. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? 10. Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.
 
Vocês já sabem o caminho! Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais e como podemos saber o caminho? Ao que o Senhor lhe disse: Eu sou o caminho; e ninguém vem ao Pai, a não ser por mim. Agora que aparece Filipe dizendo: Senhor, mostra-nos o Pai!
 
Quantas vezes, Deus está falando para o Seu povo, mas parece haver um desinteresse total, acompanhado de uma falta de respeito sem prescedentes. Até mesmo muitos crentes ouvem e entendem de tudo que é mundanismo, mas, quanto à Palavra de Deus é como que se não fosse com eles.

Ouço tantas pessoas dizer: ah, eu conheço a Jesus, eu já o tenho aceitado em meu coração; mas, na verdade, ainda não conhecem nada, porque, vivem envolvidas com idolatrias, festas mundanas; práticas que não coadunam em nada com a proposta de Deus. Deus quer abençoar o homem, na sua família, (Salmos 127 e 128), mas, o respeito para com essa instituição que é divina, tem sido banalizado, através dos que mais se projetam na sociedade. Deus quer abençoar o homem em todos os aspectos da sua vida, mas, o homem não abre o coração, não mostra nenhum interesse. Preferem ceder à vontade do diabo, a ouvir as doces Palavras de Jesus. Faça do seu Lar uma extensão da Igreja. Ensine seus filhos a conhecerem o PAI.
 
Notemos neste versículo a confusão que os contemporâneos do Senhor Jesus faziam a respeito dEle, mas, para que Sua Igreja fosse fundada, Ele precisava de resposta positiva, como foi a de Pedro: Tu és o Cristo, o Filho do Deus Vivo! Aleluia! Ainda hoje o Senhor Jesus precisa de homens e de mulheres que não façam confusão a Seu respeito, mas, que com convicção e uma fé viva nEle, em qualquer circunstância da vida possam sempre afirmar que Jesus é o Senhor.
 
Os fariseus tinham conhecimento de tudo, menos de Jesus (Mt 16:1-4)

"E, chegando-se os fariseus e os saduceus para o tentarem, pediram-lhe que lhes mostrasse algum sinal do céu. Mas ele, respondendo, disse-lhes: Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis diferençar a face do céu e não conheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal do profeta Jonas. E, deixando-os, retirou-se".

Os fariseus e os saduceus, não eram homens incautos, eles tinham conhecimento religioso e secular; conhecia a Lei, artigo por artigo e parágrafo por parágrafo, eles eram homens cultos; pela exposição do Senhor Jesus no versículo em apreço, eles sabiam até quando ia chover; sabiam quando o tempo estaria bom, mas pediam ao Senhor Jesus que lhes desse um sinal do céu! Haveria porventura um outro sinal que superasse, ou pelo menos que equiparasse à presença de Jesus? Claro que não!

Ainda hoje, há os que esquecem da salvação e correm atrás dos sinais; acreditam em tudo quanto ouvem, mas deixam de crer no poder de Jesus; pagam caro para ouvir alguém lhes falar algo; e que às vezes acabam ouvindo palavras de maldição. Descuidados se esquecem das palavras de bênçãos proferidas por Jesus.

Os sinais nunca desapareceram do meio dos servos do Senhor Jesus, sempre esteve e está presente, mas, não é para acontecer como fazem os mágicos. Por quê delega o Senhor Jesus em Marcos 16, autoridade para que Seus discípulos peguem nas serpentes, não há necessidade de sairmos por aí pegando cobras para provar o poder de Deus; não há necessidade de sairmos procurando escorpiões para pisarmos neles, mas, se depararmos com serpentes, escorpiões ou com o que quer que seja, Jesus está conosco! Aleluia!

Não há também necessidade de estarmos à procura de demônios para ficar discutindo com eles, mas, se os encontrarmos, os expulsaremos em Nome de Jesus; e em Nome de Jesus, ele tem que desaparecer da vida de uma pessoa interessada em seguir o Mestre.

Nunca vi, e ninguém, nunca verá um SERVO DO SENHOR JESUS ENDEMONINHADO, os demônios são sim audaciosos, mas somente quando Jesus está ausente, somente se lhe abrir a porta. Abra hoje o teu coração para Jesus entrar. Feche a porta para o diabo e seus demônios.
 
Em seguida, após a multiplicação dos pães, Seus discípulos o estranhou (Mc 6:48-51)

"E, vendo que se fatigavam a remar, porque o vento lhes era contrário, perto da quarta vigília da noite, aproximou-se deles, andando sobre o mar, e queria passar adiante deles, mas, quando eles o viram andar sobre o mar, pensaram que era um fantasma e deram grandes gritos. Porque todos o viram e perturbaram-se; mas logo falou com eles e disse-lhes: Tende bom ânimo, sou eu; não temais. E subiu para o barco para estar com eles, e o vento se aquietou; e, entre si, ficaram muito assombrados e maravilhados".

Em seguida, após a primeira multiplicação dos pães: Quando a fome aperta, estando com Jesus dá tudo certo, Ele é o nosso Pastor; e nesse dia que o versículo alude, não foi diferente, as dificuldades chegaram, mas eles estavam com Jesus; é melhor estar com Jesus no deserto, do que na cidade sem Ele.
 
É melhor estar com Jesus sem recurso aparente, do que com muita riqueza sem Ele. A noite estava se aproximando e a falta de pão também se fazia presente; os discípulos como quem ainda não sabiam bem as suas obrigações foram repreendidos pelo Mestre (Mc 6:35-37).

Finalmente, Jesus os obriga a subirem no barco para irem embora, enquanto Ele, ficaria ainda um pouco para oração (Mc 6:45-46) e Jesus viu que eles se fatigavam ao remar, talvez que o pão que haviam comido, ainda estava por digerir. Jesus se aproxima deles andando sobre o mar; era noite; eles não conheceram o Senhor! Assustaram! Pensaram que Jesus fosse um fantasma! E começaram a gritar. De alegria? Não! De susto!

Quantos que oram: Jesus, abençoa meu filho; Jesus atende, daí a pouco a pessoa esquece do que Jesus fez. Tributemos ao Senhor a glória que Lhe é devida. Materialmente, quando a pessoa está esquecendo muito as coisas, o médico dá uma solução, receitando certas vitaminas. Mas esquecer de Jesus, não reconhece-Lo, é necessário orar!
 
Mas os demônios, os fariseus reconheciam (Mt 12:22-26)

"Trouxeram-lhe, então, um endemoninhado cego e mudo; e, de tal modo o curou, que o cego e mudo falava e via. E toda a multidão se admirava e dizia: Não é este o Filho de Davi? Mas os fariseus, ouvindo isso, diziam: Este não expulsa os demônios senão por Belzebu, príncipe dos demônios. Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá. E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino"?

É bom lembrar que o ministério de Jesus, já estava em plena atividade. Ele já havia desaparecido no Templo, onde Seus pais o encontraram no meio dos doutores, inquirindo-os e sendo por eles inquirido (Lc 2:39-52). Já havia transformado água em vinho, na festa que comparecera em Caná da Galiléia (Jo 2:1-12).

Entre esses, muitos outros milagres o Senhor Jesus já havia operado. Agora alguém Lhe traz um moço, cego e mudo; e ainda endemoninhado; e o Senhor Jesus o cura; a multidão fica admirada! Não é este o Filho de Davi? Do outro lado os fariseus: Este não expulsa os demônios senão por belzebu, príncipe dos demônios. Jesus conhecendo a incredulidade deles, lhes assevera, mostrando-lhes a razão: Se satanás expulsa a satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá pois, o seu reino? (Mt 12:22-29).

Eles reconheciam a satanás no lugar de Jesus! Jesus era como que um incógnito no meio deles. Reconheçamos a Jesus hoje: Em (2Tm 4:1-5) nos diz assim a Palavra de Deus:

"Conjuro-te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu Reino, 
que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. 
Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores (ou instruidores) conforme as suas próprias concupiscências; 
e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas tu sê sóbrio em (ou em todas as coisas) tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério."

O apóstolo estava recomendando: pregues a tempo e fora de tempo, tendo em vista a facilidade que o povo tinha em se esquecer de Deus. Ainda que nos últimos dias (referindo-se ao tempo em que vivemos hoje) apareceriam falsos pastores, falsos obreiros, que apascentariam o rebanho segundo o seu ponto de vista, segundo o seu raciocínio radical, desviando o povo de uma crença genuína para o misticismo.

Cumprir a obra de um evangelista, é fazer viva a mensagem do Senhor Jesus na mente das pessoas. Cumprir o ministério de um evangelista, é não vacilar, é se manter firme, no propósito para o qual Deus o chamou.

É muito comum nestes últimos dias, homens que se apresentam como pregadores, mas que na verdade suas malévolas mensagens estão inspiradas em João 8:44; e cantores, que usam os púlpitos das Igrejas, com músicas de dupla conotação (as vezes, carnal e as vezes diabólicas) sodomitas, e são reconhecidos, pleiteando por serem aceitos incólumes, afastando da Igreja, aquEle que a comprou com o Seu sangue, JESUS CRISTO, O SENHOR.


___________

Jorge Albertacci
Pastor Emérito da Assembleia de Deus do Retiro
Volta Redonda
Rio de Janeiro

 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal