Não Pode Haver Unidade Sem União - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Não Pode Haver Unidade Sem União

Santificação
NÃO PODE HAVER UNIDADE SEM UNIÃO

Mateus 18:20
“Por que onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles”

INTRODUÇÃO
Partindo do raciocínio indicado por Jesus no versículo supracitado podemos entender o desejo maior do seu coração, que é o de manter juntos os Seus santos. A Igreja é caracterizada pela comunhão que mantém com o Senhor Jesus Cristo e pela unidade espiritual de seus membros. Na Igreja Primitica, a comunhão era uma das mais importantes características da Igreja
 
O DESEJO DO CORAÇÃO DO SENHOR
Ele tinha em mente um Novo Dia, em que ainda que em um nível superior ao que o mortal possa entender, estivesse com os Seus. Na Palavra de Deus aprendemos o que o Senhor Jesus requer de cada um de nós acerca da verdadeira comunhão. Em uma congregação, todos conhecem muito bem um ao outro, inclusive, se há problemas de convivência. Quando a Congregação vive em Cristo, adestrada pela Palavra, se torna fácil promover a unidade e aparar qualquer aresta. A divisão é o primeiro sinal indicador de derrota para qualquer grupo de pessoas. A divisão é a principal promotora de rebelião entre os irmãos (Mt 12:25; 1 Co 6:7).

SEM UNIÃO NÃO HA UNIDADE
Um dos sinais da atuação do Espírito Santo na Igreja Primitiva era a comunhão entre os seus membros. Mais que oferecer parte ou o todo dos bens que possuíam, os cristãos mantinham-se unidos por um vínculo comum: eles pertenciam ao corpo místico de Cristo — a Igreja de Deus. A comunhão faz da Igreja um organismo espiritual perfeito de homens e mulheres que, apesar de suas procedências étnicas e diversidades culturais, sentem-se e agem como irmãos. Somente seremos reconhecidos como filhos de Deus se cuidarmos uns dos outros e mutuamente nos socorrermos. 
A comunhão levou aqueles crentes a partilharem o que tinham, abrindo as portas para a atuação do Espírito Santo. Assim, ia o Senhor acrescentando o número dos santos tanto em Jerusalém, como em toda a Judeia e Samaria até os confins daquelas terras.

MINHA CONSTANTE PREOCUPAÇÃO
Às vezes questiono a mim mesmo sobre o porquê de a Igreja Primitiva ser, apesar de relativamente grande (em um único dia entregaram-se três mil pessoas a Cristo!), tão intimamente unida. Eles não contavam com meios de comunicação, assim como nós contamos hoje. Mas, eles tinham união – tinham tudo em comum entre eles e isso lhes proporcionava as melhores condições de relacionamento na Igreja. Atualmente a Igreja vive em um clima de tensão. O egoísmo tem tomado conta de muitas igrejas locais, tornando-as infrutíferas. Permeia em seu seio um comportamento carnal, distorcido, que não reflete a mensagem pura e santa do evangelho. É legítimo que haja interesse da igreja hodierna em reparar as causas da falta de comunhão, mas, sem a genuína renúncia do verdadeiro cristianismo.
 

O ACORDO
Desta união dependia a bênção, ou a resposta da oração de cada um deles. Subentendemos também, que, segundo Sua declaração, um acordo sincero entre dois ou três irmãos, reunidos em Seu nome é mais poderoso do que qualquer acordo, ainda que, feito por uma nação inteira de forma superficial. Este é um assunto que pelos menos deveria ser considerado por todos os servos do Senhor, e que fora reiterado de forma clara, por Ele mesmo, em Mateus 18:19: - “Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus.”

NOS DIZERES DE SALOMÃO
Veja uma forte referência sobre o estar juntos, nas palavras do grande sábio Salomão, em Eclesiastes 4:9-12: - “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque, se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante. Também se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará? E, se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.”
 
MOTIVO DESTAS RECOMENDAÇÕES
A maior dificuldade dos que lideram sobre o povo de Deus, é mantê-los juntos, em uma só fé, um só pensamento, crendo em um só Deus, tendo um só ponto de vista, um só raciocínio – tendo tudo em comum.

NO DIA DE PENTECOSTES
Nesse memorável dia para a Igreja do Senhor, somente foram abençoados os que permaneceram juntos e no mesmo lugar. Como ovelhas que são os servos do Senhor Jesus, jamais poderão desprezar o instinto gregário que é próprio do gado ovelhum (ovelhas). As ovelhas não se separam uma da outra, mas, se mantêm sempre juntas, no curral, ou seguindo o pastor para o pastoreio.

INCOERÊNCIA
Há um ditado popular que afirma que toda unanimidade é burra e que a discordância deve fazer parte em todos os meios da sociedade. Diferente desta afirmação, a palavra de Deus recomenda a todos quantos o seguem e Paulo falou sobre este assunto em sua carta aos Efésios 4:1-7: Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz; há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos. E a graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo.

 A RECOMENDAÇÃO DO SENHOR E DOS APÓSTOLOS
Em Atos 2:1-4, 41-47 lemos que: ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem.  Atos 2:41-47 Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.  Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade.  Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.
 
Quando lemos Mateus 18:18-19, encontramos o próprio Senhor nos orientando como nos preparar para estar ligados a Ele: “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus. Em verdade também vos digo que, se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que, porventura, pedirem, ser-lhes-á concedida por meu Pai, que está nos céus.”
 
 COERÊNCIA
A Palavra afirma em Atos 4:34 que não havia necessitado entre eles! Não havia pessoas necessitadas! Isto é fácil de entender: por quê diferente de nós, antes deles olharem para a falta das pessoas, eles atentavam para a necessidade de cada uma delas. Olhemos para as necessidades dos nossos semelhantes, porque, sendo assim, podemos indicar Jesus a todos.
 
Jesus Cristo é a cabeça do corpo que é a sua Igreja: 1Coríntios 12:27: “Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros” (Romanos 12:4-5). Outras passagens, como 1Coríntios 12 e Efésios 4, enfatizam a mesma verdade. Cremos na Igreja, que é o corpo de Cristo, una, santa e universal assembleia dos fiéis remidos de todas as eras e todos os lugares. O Senhor Jesus Cristo é a cabeça do Corpo da Igreja.

CONCLUSÃO
Juntos em Cristo, nossa capacidade é maior, porque, um pode ajudar o outro, incentivand-o à oração, a estar de pé sempre pronto para o trabalho - como pode ajudar uma ao outro em suas necessidades. Juntos, sempre um está disposto para cooperar com a Igreja e com seu pastor e a animação de um contagia o outro.
                                               
Pr. Jorge Albertacci
Volta Redonda/Rio – 16/10/2014
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal