Quando Falta Perseguição - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Quando Falta Perseguição

Evangelismo e Missões II
Quando Falta Perseguição

Atos 8:1-8
 
1 - E também Saulo consentiu na morte dele. E fez-se, naquele dia, uma grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém; e todos foram dispersos pelas terras da Judeia e da Samaria, exceto os apóstolos. 2 - E uns varões piedosos foram enterrar Estêvão e fizeram sobre ele grande pranto, 3 - E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão. 4 - Mas os que andavam dispersos iam por toda parte anunciando a palavra. 5 - E, descendo Filipe à cidade de Samaria, lhes pregava a Cristo. 6 - E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia, 7 - pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados. 8 - E havia grande alegria naquela cidade.

INTRODUÇÃO

A falta de perseguição pode causar grandes prejuízos à obra de Deus, porque há uma forte tendência de que, quanto mais tranquilo esteja o povo da Igreja local, menos este cumpre o seu compromisso! A tranquilidade, em certo ponto, contribui para que os crentes passem a viver regaladamente e sem nenhum prazer em promover cruzadas evangelísticas, cultos ao ar livre, evangelização nos bairros, visitas nos presídios, nos hospitais e instituições de recuperação de jovens dependentes químicos e manicômios. A perseguição foi a força propursora para a ampliação da Igreja Primitiva. A perseguição espalhava os primeiros discílos para fora de Jerusalém. Essa foi a forma primitiva de evangelização e foi exatamente sob esse aspecto que a Igreja de Cristo cresceu, em número, poder e graça.

UM ATO DE PERSEGUIÇÃO

Em Atos 4, lemos que Pedro e João ao serem detidos e ameaçados pelas autoridades, voltaram para a Igreja e relataram o que se passou. Por sua vez a Igreja então se reúne para orar, mas eles não pedem por proteção. “Atos 4:1-12: E, estando eles falando ao povo, sobrevieram os sacerdotes, e o capitão do templo, e os saduceus, doendo-se muito de que ensinassem o povo e anunciassem em Jesus a ressurreição dos mortos. E lançaram mão deles e os encerraram na prisão até ao dia seguinte, pois era já tarde. Muitos, porém, dos que ouviram a palavra creram, e chegou o número desses homens a quase cinco mil. E aconteceu, no dia seguinte, reunirem-se em Jerusalém os seus principais, os anciãos, os escribas, e Anás, o sumo sacerdote, e Caifás, e João, e Alexandre, e todos quantos havia da linhagem do sumo sacerdote. E, pondo-os no meio, perguntaram: Com que poder ou em nome de quem fizestes isto? Então, Pedro, cheio do Espírito Santo, lhes disse: Principais do povo e vós, anciãos de Israel, visto que hoje somos interrogados acerca do benefício feito a um homem enfermo e do modo como foi curado, seja conhecido de vós todos e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, aquele a quem vós crucificastes e a quem Deus ressuscitou dos mortos, em nome desse é que este está são diante de vós. Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina. E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”.

A EMPOLGAÇÃO PELO PODER DE DEUS

Eles clamam por ousadia! Sabemos que Deus ficou satisfeito com o pedido porque, após a oração, o lugar ficou cheio do Espírito Santo, e os que estavam ali presentes falaram a palavra de Deus com ousadia. Os crentes da Igreja Primitiva enfrentaram forte oposição por parte das autoridades, todavia, aqueles irmãos não deixaram de testemunhar e proclamar o evangelho de Cristo. Eles não tinham suas vidas por preciosas, Atos 20:20, por isso, não temiam testemunhar de Jesus. Os crentes demonstravam, por intermédio do testemunho pessoal, o que Jesus havia feito em suas vidas. Não podemos nos esquecer de que fomos chamados para sermos testemunhas de Cristo. Muitas são as oportunidades que o Senhor tem nos dado para proclamarmos sua Palavra. Que não venhamos a ficar intimidados, deixando de testemunhar de Cristo, mesmo diante das críticas, maus exemplos de alguns ou qualquer tipo de perseguição. Sigamos de perto a postura dos primeiros crentes. Porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido. Atos 4:20.

QUANDO PERSEGUIDOS

Relatos como esses ainda são encontrados nos dias de hoje. Vejamos a Igreja na Síria. A crise que já dura vários anos tem levado os cristãos para mais perto de Deus. Um pastor compartilhou recentemente que, agora, sua Igreja tem se reunido para orar com mais frequência e intensidade. Ele acrescenta: "Sabemos que este é um momento especial para a Igreja e acreditamos que irá contribuir para a salvação de muitas pessoas em nossa cidade e em todo o país."  Buscar a glória de Deus em momentos de angústia faz toda a diferença. Vemos milagres acontecer e pessoas entregarem suas vidas a Jesus. Desde os primórdios, a perseguição sempre contribuiu para que a Igreja prosperasse. Talvez que a falta de motivação de muitos cristãos para empenhar-se de forma mais atuante na obra do Senhor, decorre da falta de perseguição.

NO BRASIL

Nós brasileiros estamos acostumados a reclamar de perseguição da parte das autoridades, dos vizinhos da Igreja e de tantas outras coisas, mas, fazendo pouquíssimo pelo Reino de Deus, ou quase nada. Às vezes até atrapalhando os que já fazem tão pouco. Por qualquer coisa os crentes, membros, ou obreiros e até mesmo muitíssimos pastores simplesmente, param. Param simplesmente por problemas internos. A perseguição da Igreja brasileira normalmente surge dentro dela! É incrível, mas é fato!  Esses problemas geralmente surgem entre os membros do colégio ministerial. Dificilmente se vê uma pessoa “simples” formar questiúnculas, mas, quando se vira para o lado daqueles que cresceram! Misericórdia! Meu Deus do Céu! Dificilmente se encontra entre os que compõe  o colégio ministérial, homens abnegados, radicalmente convertidos e dispostos a qualquer custo levar avante o dom que Deus o confiou. Há muitos obreiros que perderam o rumo - nesta semana mesmo deparei-me com um irmão que galgou o santo ministério de evangelista, mas, ao observar o status que Deus, por graça e misericórdia matêm em mim, ele me perguntou sobre onde eu congrega, porque ele estava sem Igreja onde congregar! O pastor sem rebanho, sem não tiver o amparo da Igreja local não tem como justificar, mas, sem Igreja onde congregar - no final Deus cobrará de alguém.

VASOS DE BARRO

Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; trazendo sempre por toda parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também em nossos corpos. E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também em nossa carne mortal. De maneira que em nós opera a morte, mas em vós, a vida. E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri; por isso, falei. Nós cremos também; por isso, também falamos, sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus e nos apresentará convosco. Porque tudo isso é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, torne abundante a ação de graças, para glória de Deus. (2 Coríntios 4:7-15). Vevemos em um constante paradóxo! Como obreiro do Senhor, ou simplesmente membro do seu corpo, é necessário que entendamos que nada é nosso, senão do Senhor Jesus. Se como membro do seu corpo não fazemos nada, e nem mesmo externamos as marcas do evangelho, porque não as temos, somos os mais miseráveis dentre os pecadores.

QUANDO APOSENTADOS

Muitos reservam antecipadamente o tempo da aposentadoria para empregar nos trabalhos da Igreja. Mas, quando se encontram aposentados, dificilmente estes farão alguma coisa, por dois motivos: primeiro pela incapacidade provocada pelo cansaço senil, ou pelo contrário, depois de aposentado, é normal, o indivíduo passar a adotar o hedonismo em suas duas categorias: ético e psicológico. De qualquer forma, essa é a presença da noite que chegou em sua vida, como disse Jesus em João 5:17, 9:4: “Mas Jesus respondeu a eles: “Meu Pai continua trabalhando até agora, e Eu também estou trabalhando. - É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar”.

CONCLUSÃO

Misericórdia! A falta de temor a Deus assume um lugar aconchegante nos corações destes! E acabam ficando pior do que os piores incrédulos! Pelo complexo de superioridade e de santidade - por acaso teriam estes convicção de Foro Privilegiado quando chegarem na presença de Deus? Pela falta de respeito, decoro, ética e conversão dá para pensar que estes cotam com a Imunidade Ministerial!

Jorge Albertacci com Alcenir Albertassi e Albertacci
Volta Redonda - Rio de Janeiro
14/10/2018
Assembléia de Deus do Retiro
Volta Redonda - RJ
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal