Mordomia do Ministério - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Mordomia do Ministério

Esboços
2Co 3:1-9 - Ap 3:11
 
INTRODUÇÃO

Entende-se por Mordomia Ministério, administrar as coisas que Deus nos confiou, a saber: família, ministérios, Igreja, trabalho, dinheiro, casa, carro, tempo, dons, talentos,  vida, saúde, corpo, tempo, nossos amigos, nossos irmãos em Cristo e principalmente àqueles que nos parecem mais fraquinhos e etc.
 
Enfatizaremos nesta oportunidade o dom Ministerial

“Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu: circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu, segundo o zelo, perseguidor da igreja; segundo a justiça que há na lei, irrepreensível”
(Fp 3:4-6).
 
Paulo com todas as prerrogativas acima descritas, não está se gabando, mas fazendo o oposto, quando mostra que as conquistas humanas por mais surpreendentes que sejam, não podem levar uma pessoa à salvação e nem tampouco ao santo Ministério.

Paulo tinha credenciais impressionantes: origem, nacionalidade, formação familiar, formação acadêmica, herança, ortodoxia na religião, atividade e moralidade. (2Co 11; Gl 1:13-14).
 
Paulo pertencia a Tribo de Benjamim, uma herança extremamente considerada pelos judeus, de sua Tribo havia nascido o primeiro rei de Israel, Saul. (1Sm 10:20:24).
 
Depois que Paulo avaliou o que havia conquistado em sua vida, disse que tudo aquilo era “perda” quando comparado à grandeza de conhecer a Cristo. (Filipenses 3:8).
 
 “E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas e as considero como esterco, para que possa ganhar a Cristo.”
 
O caráter de um verdadeiro Ministro de Cristo

1. Atos 20:24 Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.

“Paulo tinha todas as prerrogativas de cidadão de bem, mas considerou tudo como esterco, isto é renúncia, isto é abnegação, isto é humildade. Considerando acima de tudo o Ministério que Deus lhe confiou.”

2. Romanos 12:7 - "...Se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino. Para ensinar, é necessário primeiro que a pessoa viva o que ensina."

3. 2 Coríntios 6:3 - "...Não dando nós escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado."
 
“O mundo e até mesmo os crentes “mais fracos” estão de olho em nossas vidas, às vezes até na esperança de encontrarem bom exemplo a ser seguido”

4. Colossenses 4:17 - E dizei a Arquipo: "Atenta para o ministério que recebeste no Senhor, para que o cumpras."

“Atentar para o ministério é não deixar a desejar, é desprezar as prerrogativas de cidadão de bem, até mesmo porque, afinal de contas, ser cidadão de bem é dever de todos”

5. 1 Timóteo 1:12 - "E dou graças ao que me tem confortado, a Cristo Jesus, Senhor nosso, porque me teve por fiel, pondo-me no ministério."

“Timóteo deveria reconhecer, e ser grato pelo que de Deus havia recebido”

6. 2 Timóteo 4:5 - "Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério."

SÓBRIO = Moderado = Controlado = Comedido | SOFRER AS AFLIÇÕES = Saber ser Incompreendido = Não Priorizar nada em Detrimento da Obra de Deus = Ser Abnegado = Reconhecer que Antes Cristo Sofreu Morte de Cruz | FAZER A OBRA DE UM EVANGELISTA = Como o Sal, Se Gastar = Como Luz, Alumiar = Ser Arauto do Rei = Ser Emissário de Jesus = Pregar a Tempo e Fora de Tempo = Curar os Enfermos = Expulsar os Demônios | CUMPRIR O MINISTÉRIO = Fazer tudo o que for de sua competência = Não deixar nada por fazer = Fazer tudo sem exploração = Evangelizar = Pregar = Ser um imitador de Cristo, o Evangelista por excelência.

7. Fp 3:4-12 - Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu: circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu,  segundo o zelo, perseguidor da igreja; segundo a justiça que há na lei, irrepreensível.  Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas e as considero como esterco, para que possa ganhar a Cristo  e seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus, pela fé;  para conhecê-lo, e a virtude da sua ressurreição, e a comunicação de suas aflições, sendo feito conforme a sua morte;  para ver se, de alguma maneira, eu possa chegar à ressurreição dos mortos.  Não que já a tenha alcançado ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus."
 
E disse o Senhor: "Qual é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor pôs sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração?"
 
E o mordomo disse consigo: "Que farei, pois que o meu senhor me tira a mordomia? Cavar não posso; de mendigar tenho vergonha."  (Lucas 12:42; Lucas 16:3).  "Mas levanta-te e põe-te sobre teus pés, porque te apareci por isto, para te pôr por ministro e testemunha tanto das coisas que tens visto como daquelas pelas quais te aparecerei ainda" (Atos 26:16).

CONCLUSÃO

Ser ministro do Senhor, além de ser um privilégio é uma honra, mas, acima de tudo, para os bons mordomos, é uma obrigação. Obrigação, porque se fomos alcançados pela graça do Senhor, é necessário que através de nós outros sejam também (1Corítios 9). Para o bom Mordomo, isto não é uma mera opção, mas, uma obrigação.

Pastor Jorge Albertacci
Volta Redonda - Rio de Janeiro
 
 
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal