O Processo da Santificação em Nossas Vidas - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

O Processo da Santificação em Nossas Vidas

Estudos Bíblicos II
______________


O PROCESSO DA SANTIFICAÇÃO EM NOSSAS VIDAS

Levítico 20:7 ; 1 Pedro 1:16

A santificação é realizada no crente pelo reconhecimento da identificação com Cristo em Sua morte e ressurreição. Quando nós nos convertemos ao Senhorio de Cristo, nascemos de novo, somos libertados das correntes do pecado e revestidos de um novo homem.
 
Não somos mais portadores daquela velha natureza. Conforme declara Pedro em sua primeira carta 1:13-17:  “Portanto cingido os vossos lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo. Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância. Mas como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver.”
 
O processo da santificação só se evidencia na vida do crente quando este reconhece o que Deus Pai fez por ele através de Jesus Cristo nosso Senhor e demonstra gratidão por isto.

O ingrato que não valoriza o sacrifício vicário realizado por nosso Senhor Jesus Cristo e jamais se interessará pela santidade. Ele jamais valorizará, em detrimento da sua regalada e escandalosa concupiscência, o preço pago por sua alma lá na Crus, que custou o sangue do Filho de Deus.
 
Santo é o homem ou a mulher cuja conduta serve de exemplo e modelo. Que não permite se corromper e que mantém a sua vida segundo os preceitos estatuídos na Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus.

Há uma tremenda demonstração de aversão e antipatia a certos costumes adotados pelos que primam pela santidade em suas vidas. Nesta aversão é que aparece a discursão sobre o tão propalado “usos e costumes.” A pessoa que procura a santidade, a comunhão com Deus; que se sente salva por Cristo e agradecida pelas bênçãos alcançadas; com a certeza absoluta, da vida eterna no Céu com Jesus – não se conforma com vestimentas indecentes, com festas onde a Ação de Graças é substituída pela glutonaria, acompanhada de bebidas fortes, palavrões e todas as demais práticas adotadas pelos ímpios. Enquanto que o ímpio, critica, dizendo que santidade não está na roupa; que a santidade não impede ninguém de participar das festas mundanas e pagãs - verdadeiras rodas de escarnecedores; dizendo que a santidade está no coração.
 
A CONSTITUIÇÃO DO HOMEM
 
De acordo com as Sagradas Escrituras, o homem é ser tricótomo, composto: espírito, alma e corpo (1Ts 5.23). Embora não seja fácil explicar a tricotomia humana, ela, todavia, é uma realidade.
 
1. ESPÍRITO. Por intermédio do espírito, entramos em contato com Deus. Por isso, deve o nosso espírito ser quebrantado (Sl 51:17), voluntário (Sl 51:12) e reto (Sl 51:10). Testemunha o apóstolo Paulo que servia a Deus em seu espírito (Rm 1:9). Quando de nossa morte, entregamos a Deus o espírito (Lc 23:46; At 7:59). O espírito dos ímpios, Deus o lança no inferno (Lc 16:19-31; Sl 9:17; Mt 13:40-42; 25:41,46). Não podemos separar a alma do espírito, pois ambos formam uma unidade indivisível.
 
2. ALMA. Através da alma, nos é possível, utilizando-nos de nossos sentidos, entrar em contato com o mundo exterior. Não podemos esquecer-nos de que, na Bíblia, a palavra alma aparece como sinônimo de espírito (Gn 2:19; Sl 42:2).
 
3. CORPO. Nosso corpo não é a realidade final de nosso ser. O seu movimento é proveniente do sopro que do Criador recebemos (Gn 2:7). Através dele, cabe-nos glorificar a Deus, pois não é instrumento de imundície, mas de santificação (1Co 6:18-20).
 
O DESLEIXO
 
Infelizmente, nos dias em que vivemos, Deus é considerado alguma coisa que fica em último plano na vida de muitos. Os assuntos atinentes às coisas celestiais não constam da pauta da humanidade. Dificilmente Deus é lembrado em qualquer época ou ato que envolve a vida das pessoas. Até mesmo muitos que já professaram a fé em Cristo Jesus se encontram embevecidos com a tríade infernal deste século: o mundo, a carne e o Diabo.

A diferença  entre os que primam pela santidade, dos que não conseguem viver separados do mundanismo, da concupiscência desenfreada da carne e das artimanhas do Diabo, está em tudo que envolve a vida da pessoa: da roupa à alma. Os santos mantém, espírito, alma e corpo, plenamente preservado para o Senhor (1Ts 5:23) “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.”
 
A SANTIDADE NO VELHO TESTAMENTO REITERADA NO NOVO
 
Santidade é a qualidade ou virtude de santo – é o estado de santificação, de virtude e de pureza, adquirida através de uma comunhão estreita com o Santo Espírito de Deus, que tem nosso corpo como morada Sua (1Co 6:19; Ef  2:22; Jo 14:23).
 
Em muitas igrejas hoje, a santidade é chamada de fanatismo. Nessas igrejas falam muito de união, amor, fraternidade, louvor, mas não da separação do mundanismo e do pecado. Notemos que as “virgens” da parábola de Mateus 25 pareciam todas iguais; a diferença só foi notada com a chegada do noivo.
 
 
No Antigo Testamento o conceito de santidade, santo ou santificado é expresso por três palavras principais: qādashqōdesh e qādôsh.
 
O verbo qādash ocorre 170 vezes no hebraico bíblico, com o sentido de “ser consagrado”, “ser santo”, “ser santificado”. Na primeira ocorrência do termo (Gn 2:3) significa “declarar algo santo” (Êx 20:8), mas também o estado daquele que é reservado exclusivamente para Deus (Êx 13:2). No entanto, há 470 ocorrências do substantivo qōdesh com o significado de “consagração”, “santidade”, “qualidade de sagrado”, “coisa santa”. A palavra é empregada para descrever tanto o que é separado para o serviço exclusivo a Deus (Êx 30:31), quanto o que é usado pelo povo de Deus (Is 35:8; Êx 28:2,38). Já o adjetivo qādôsh, isto é, “santo”, “sagrado”, além de ocorrer 116 vezes é o vocábulo mais difundido entre os estudantes das Escrituras Sagradas. Em Êxodo 19:6, primeira ocasião em que se emprega o termo, designa o estado de santidade do povo de Deus (Nm 16:3; Lv 20:26), e a santidade do próprio Deus (Is 1:4; 5:16; 40:25).
 
“Portanto, santificai-vos e sede santos, pois eu sou o SENHOR, vosso Deus” (Levítico 20:7).
 
“Porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo” (1Pedro 1:16).
 
"Naquele dia, se gravará sobre as campainhas dos cavalos: SANTIDADE AO SENHOR; e as panelas na Casa do SENHOR serão como as bacias diante do altar” (Zacarias 14:20).
 
"Certamente, as ilhas me aguardarão, e, primeiro, os navios de Társis, para trazer teus filhos de longe, a sua prata e o seu ouro com eles, na santificação do nome do SENHOR, teu Deus, e do Santo de Israel, porquanto te glorificou” (Isaías 60:9).
 
"Declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos, —Jesus Cristo, nosso Senhor” (Romanos 1:4).
 
“Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia e à maldade para a maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para a santificação” (Romanos 6:19).
 
“Mas, agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna” (Romanos 6:22).
 
“Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção” (1Coríntios 1:30).
 
“Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus” (2Coríntios 7:1).
 
“Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição” (1 Ts 4:3).
 
“Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra” (1 Ts 4:4).
 
“Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação” (1 Ts 4:7).
 
“Mas devemos sempre dar graças a Deus, por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito e fé da verdade” (2Ts 2:13).
 
“Salvar-se-á, porém, dando à luz filhos, se permanecer com modéstia na fé, na caridade e na santificação” (1Timóteo 2:15).
 
“Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14).
 
“Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: graça e paz vos sejam multiplicadas” (1Pedro 1:2).

“E vos revistais do novo homem, que, segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade” (Efésios 4:24).

1. Santificados antes do Pentecostes. Lendo a Bíblia cuidadosamente, vemos que os discípulos eram pessoas salvas e santificadas e haviam recebido a unção do Espírito antes do dia de Pentecostes. Em João 17.15-17, Jesus ora: ‘Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade’. Jesus é a Palavra e a verdade, por isso os discípulos foram santificados pela verdade na mesma noite em que ele orou por eles (Jo 20.21-23). Os discípulos, portanto, já estavam cheios da unção do Espírito Santo antes do dia de Pentecostes, e isso os sustentou até que foram dotados com poder do alto. No primeiro capítulo de Atos, Jesus orienta os discípulos a esperarem pela promessa do Pai. Não era para esperar pela santificação. O sangue de Cristo já havia sido derramado na cruz do Calvário. Ele não ia enviar o seu sangue para limpá-los da carnalidade, mas o seu Espírito, para dotá-los com poder.

2. A Santificação. Não há nada mais doce, mais sublime ou mais santo neste mundo do que a santificação. O batismo com o Espírito Santo é o dom de poder na alma santificada, capacitando-a para pregar o Evangelho de Cristo ou para morrer na fogueira. O batismo reveste o crente até o dia da redenção, de modo que ele esteja pronto para encontrar-se com o Senhor Jesus à meia-noite ou a qualquer momento, porque tem óleo em sua vasilha, junto com a sua lâmpada.
Você é participante do Espírito Santo no batismo pentecostal da mesma maneira que foi participante do Senhor Jesus Cristo na santificação” (SEYMOUR, W. J. Santificados antes do Pentecostes. In KEEFAUVER, L. (ed.). O avivamento da Rua Azusa — Seymour. RJ: CPAD, 2001, p.80-3).


1. A Bíblia ordena. A Bíblia afirma que temos dentro de nós a “lei do pecado” (Rm 7.23; 8.2). Daí, ela ordenar que sejamos santos (1 Pe 1.16; Lv 11.44; Ap 22.11), pois o Senhor habita somente em lugar santo (Is 57.15; 1 Co 3.17).

2. Os santos serão arrebatados. O Senhor Jesus que é santo, virá buscar os que são consagrados a Ele (1 Ts 3.13; 5.23; 2 Ts 1.10; Hb 12.14). Por isso, a vontade de Deus para a vida do crente é que ele seja santo, separado do pecado (1 Ts 4.3).

3. A santidade revelada de Deus. Uma importante razão pela qual o crente deve santificar-se é que a santidade de Deus, em parte, é revelada através do procedimento justo e da vida santificada do crente (Lv 10.3; Nm 20.12). Então, o crente não deve ficar observando, nem exigindo santidade na vida dos outros; ele deve primeiro demonstrar a sua!

4. Os ataques do Diabo. Devemos atentar para o fato de que, o Diabo, centraliza seus ataques na santificação do crente. A principal tática que o adversário emprega para corromper a santidade é o pecado da mistura. Isso ele já propôs antes a Israel através de Faraó (Êx 8.25). Esta mistura, inclui: da igreja com o mundanismo; da doutrina do Senhor com as heresias; da adoração com as músicas profanas; etc.
 
O DIÁLOGO DE JEREMIAS COM DEUS
 
“Tu, ó SENHOR, o sabes; lembra-te de mim, e visita-me, e vinga-me dos meus perseguidores; não me arrebates, por tua longanimidade; sabe que, por amor de ti, tenho sofrido afronta.  Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome me chamo, ó SENHOR, Deus dos Exércitos.  Nunca me assentei no congresso dos zombadores, nem me regozijei; por causa da tua mão, me assentei solitário, pois me encheste de indignação. Por que dura a minha dor continuamente, e a minha ferida me dói, não admite cura? Serias tu para mim como ilusório ribeiro e como águas inconstantes?  Portanto, assim diz o SENHOR: Se tu voltares, então, te trarei, e estarás diante da minha face; e, se apartares o precioso do vil, serás como a minha boca; tornem-se eles para ti, mas não voltes tu para eles. E eu te porei contra este povo como forte muro de bronze; e pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti; porque eu sou contigo para te guardar, para te livrar deles, diz o SENHOR.  E arrebatar-te-ei da mão dos malignos e livrar-te-ei das mãos dos fortes” (Jeremias 15:21).
 
O TESTEMUNHO DE AGOSTINHO

Com o fervor que lhe era tão peculiar, expressa Agostinho toda a sua esperança na redenção humana: “A essência mais profunda da minha natureza é que sou capaz de receber Deus em mim”. Mostra o teólogo africano, de forma despretensiosa, mas profunda, por que o nosso espírito anseia por receber a Deus: fomos por Ele criados, e a nossa alma só descansará quando repousar em sua paz.
 
CONCLUSÃO
 
“Vinho ou bebida forte tu e teus filhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações,  para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo,  e para ensinar aos filhos de Israel todos os estatutos que o SENHOR lhes tem falado pela mão de Moisés” (Levítico 10:9-11).
 
Santificação não pode ser confundida com “santarronice” (neologismo meu).  Santificação é símbolo de equilíbrio, de compreensão, de bondade e de compreensão. Santificação leva a pessoa a sentir a responsabilidade e o desejo de agradecer ao Senhor com Ação de Graças pelas Suas misericórdias. Santificação é antônimo de profanação. Os atos praticados pelos santos evidenciam a diferença entre o santo e o profano. 

David W. Cloud define santificação:  As palavras "santificar", "sagrado" e "santo" são traduções da mesma palavra grega. Elas significam estar separado para um serviço especial. Na Bíblia muitas coisas além de pessoas são apresentadas como santificadas - os móveis do Tabernáculo (Ex 40:10, 11,13); uma montanha (Ex 19:23); comida (1Tm 4:5). Torna-se até possível para um crente santificar a Deus no seu coração (1Pe 3:15). Portanto, santificar, ou tornar sagrado, não significa purificar ou tornar sem pecado, mas separar alguma coisa para Deus e o serviço a Deus. 

Em relação ao Cristão, santificação ou santidade significa estar separado do pecado e para Deus. Existem três aspectos distintamente diferentes desta santificação: passado, presente e futuro. Todo Cristão está autorizado a falar, "fui santificado; estou sendo santificado; ainda serei santificado."

Santificação passada significa que o crente já foi posicionalmente separado em Cristo (At 20:32; 1 Co 1:2; 1:30; 6:9-11; Hb 10:10, 14). No novo nascimento, cada crente está sendo eternamente santificado em Cristo, é retirado do poder do diabo para dentro da família de Deus (Jo 1:14; Gl 4:4-6), do reino do diabo para dentro do reino de Cristo (Cl 1:12-13); da velha criação para a nova criação (2Co 5:17). Esta santificação é uma realidade eterna e está baseada numa nova posição espiritual que o Cristão tem em Jesus Cristo. Os crentes de Corinto não estavam sem pecado, e apesar disso foram chamados de santos e foi escrito que foram santificados (1Co 1:2, 30). Neste sentido, o Cristão pode dizer, "ESTOU santificado em Cristo."
 
Santificação  presente (atual) indica o processo pelo qual o Espírito Santo gradualmente muda a vida do crente para dar vitória sobre o pecado. Esta é a santificação prática. Trata-se do crescimento cristão, deixando o pecado do lado e vestindo dedicação a Deus (Rm 6:19-22; 1Tm 4:3-4; (1Pe 1:14-16).  Este processo atual de santificação nunca acaba nesta vida (1Jo 1:8-10). O Cristão precisa resistir ao pecado até ser levado deste mundo através da morte ou na volta de Cristo. Neste sentido, o Cristão pode dizer, "ESTOU SENDO santificado pelo poder de Deus."

Santificação futura é a perfeição que o crente vai desfrutar na ressurreição (1Ts 5:23). Na vinda de Cristo, cada crente receberá um corpo novo que estará sem pecado. O Cristão não terá mais de resistir ao pecado ou de crescer para a perfeição. Sua santificação estará completa. Ele estará inteira e eternamente separado do pecado e para Deus. Neste sentido, o Cristão ESTARÁ santificado na volta de Cristo. Precisamos tomar cuidado para não confundir estes aspectos diferentes da santificação ou santidade.
______________

Jorge Albertacci
E-mail - prjorgealbertacci@yahoo.com.br
Pastor Emérito da Catedral das Assembleias de Deus do Retiro
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal