O Neto, Enos - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

O Neto, Enos

Pr. José Edson
_____________

INTRODUÇÃO

Adão sabia muito bem do amor, cuidado e caráter do Deus Elohim. Porque todos os dias, Deus descia do céu e visitava as suas criaturas no Jardim do Éden. A Sua presença Majestosa, irradiava alegria e segurança ao casal. Mas a falta de cuidado de Adão às palavras e mandamentos do seu Pai celestial, e o desejo compulsivo de Eva, os levaram a perder todos os privilégios que tinham, porque entraram na triste solidão de perdição sem a presença carinhosa e irradiante do seu Deus. Tiveram a parir de então, que enfrentar trabalho árduo, e a sua mulher com dores na sua conceição.
 
COMENTÁRIO
 
E por causa do caminho que Adão tomou, sua vida mudou para pior, e bem pior. A boa e linda expectativa de vida que tinha do seu futuro e felicidade eterna ruiu, e consequentemente perderam a vida eterna, a comunhão com Deus, o ambiente maravilhoso no Jardim do Éden, e ganharam o mundo de cardos e espinhos, trabalho ardo e solidão interior e por fim, sua volta ao pó da terra.
 
Quando nasceu seu primeiro e segundo filho, Caim e Abel. Adão vendo-os crianças, possivelmente pensava: Creio que Deus vai mudar a nossa sorte, porque Deus vai atentar para estes dois inocentes sem pecados como eu era no principio, e Deus virá, e nos visitará outra vez. Dando-nos uma segunda oportunidade.
 
As consequências do pecado
 
Mas o que Adão não sabia era que seu pecado de desobediência, e negligencia, tinha dado ao diabo a chance de inocular na sua natureza, a natureza maligna de Satanás e que essa natureza passaria de geração a geração, trazendo morte eterna a todos os seus descendentes. São Paulo descreve esse episodio: “Portanto, assim como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.” (Romanos 5.12).
 
Porque, somente depois que Deus soprou o espírito de vida naquele boneco de barro feito pelas mãos de Elohim, que Adão recebeu vida e se tornou alma vivente. E era por intermédio do seu espírito que ele tinha vida espiritual e comunhão com Deus. Mas depois que ele pecou morreu espiritualmente, como Deus lhe tinha avisado, e só bastou novecentos e trinta anos, para Adão morrer também fisicamente e voltar ao pó.
 
O vislumbre da Nova Aliança
 
São Paulo ensinava aos crentes na cidade de Roma que: “O Espirito de Deus testifica com o nosso espírito, que somos filhos de Deus.” E Jesus mostrou a mulher samaritana que: “Os verdadeiros adoradores adorarão ao Pai em espírito e em verdade.”
 
Com isso entendemos que, só com a alma, não há verdadeira adoração, porque ela é a sede dos sentimentos, e nosso sentimento está ligado às ações carnais, e quem está na carne, não pode agradar a Deus. Mas o crente vive pela fé e não pelo que vê. (Rm 8.8,16; João 4. 23). E Adão sentiu essa realidade com muita tristeza e angustia quando Caim, seu filho mais velho se levantou com ira contra seu irmão mais novo Abel e o matou. Por causa do espírito de inveja que nele já estava. (I Jo 3.12).
 
Então, Adão sentiu que o seu pecado, não só trouxe perdição para ele, mais também para todos os seus descendentes. O chamado pecado original. Mas creio que a esperança continuava no coração de Adão, até porque ele ouviu que Deus prometeu ao diabo que da semente de Eva, sua mulher, nasceria Um que iria ferir a cabeça de Satanás, não obstante este seria ferido no calcanhar. O que realmente aconteceu com o Senhor Jesus na cruz, no Calvário.

O filho da maldição 

Caim, depois de matar o seu irmão, foi amaldiçoado por Deus e andou errante pelo mundo, durante centenas de anos. (Gn 4.14).  Adão e Eva tiveram outro filho, Sete. E a esperança de Adão se renovou: será que é este que nos trará a reconciliação com Deus?  “Adão viveu cento e trinta anos, e gerou um filho à sua semelhança, conforme a sua imagem, e pôs-lhe o nome de Sete. E foram os dias de Adão, depois que gerou a Sete, oitocentos anos, e gerou filhos e filhas.” (Genesis 5.3-4).
 
A essa altura as gerações de Adão tinha se espalhado por toda a terra nas centenas de anos que viviam, pois que tiveram filhos e filhas. (Gn 5.4-5). Dezenas de anos se passaram e Caim conheceu a sua mulher, da descendência do seu pai, constituiu família e se formaram cidades, tribos e castas. E a descendência de Caim se espalhou, cresceu, e se tornou famosa por suas realizações: Por Jabal, um dos descendentes de Caim, teve início a criação de gado e morada em tendas.
 
Por Tubal – Caim, Teve início a siderurgia. Por Jubal, teve início a arte da música. E não são por estas três artes que move a economia e a vida no mundo?
 
Pois bem, enquanto a geração de Caim tomava conta do mundo e se ocupava e prosperava com suas artes. (Porque sua natureza e prazer, era as suas realizações no mundo). Adão continuava com seus olhos em seu filho Sete, mas, não viu nele ainda o que ele esperava. Um que iria se levantar e buscar a face de Deus, promovendo um avivamento e reconciliação na sua geração.
 
O início da genealogia de Jesus
 
Mas, enquanto todos se ocupavam somente com os interesses e prosperidades do mundo. Nasceu Enos, filho de Sete, neto de Adão. O menino cresceu e Adão notou que algo de Deus havia naquele seu neto, seus olhos brilharam e sua esperança de uma reconciliação com Deus renasceu. Diz o relato bíblico:  E a Sete também nasceu um filho; e chamou o seu nome Enos; então se começou a invocar o nome do SENHOR. (Genesis 4.26).
 
Foi a partir de Enos que começou o culto e adoração a Deus, e Adão era um dos membros daquela “igreja”, e creio que ele não perdia nem um culto, porque queria demonstrar seu amor a Deus, arrependimento, e interesse por reatar outra vez a sua vida espiritual com Deus, pois era a sua oportunidade de buscar reconciliação e se apresentar a Deus. (Cl 1.21-23).
 
Creio também, que aquele culto, trouxe admiração para alguns e censura aos descendentes de Caim. Que negócio é esse de adorar a Deus? Essa gente não tem o que fazer? Tanta coisa para se fazer e enriquecer. Até o pai, Adão, está metido nisso? Será que ainda não se deram conta do mal que esse Deus trouxe para todos nós? Abandonando-nos, só porque nosso pai pecou. (Críticas e censuras que vemos até hoje). (2 Pe 3.4).
 
Mas, Enos e todos os que com ele estavam, sabiam muito bem o que estavam fazendo. Estavam dando lugar a Deus nos seus corações. Foi do descendente de Enos, Noé, que Deus fez uma nova geração, enquanto a descendência de Caim com toda a sua gloria, prosperidade no mundo, com o mundo pereceu nas águas do dilúvio. (Gn 7.17-24).

CONCLUSÃO 

Foi da descendência de Enos que nasceu Jesus o Filho de Deus. Que veio para derrotar Satanás e o derrotou; quando na cruz bradou: “Está consumado!” Vingando assim, o tentador do primeiro casal. E levará uma nova geração para o céu, para viver uma vida eterna na intimidade com seu Pai. “Mas vós sois geração eleita, sacerdote real, nação santa, povo adquirido para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. Vós que não éreis povo de Deus, mas agora sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas agora alcançaste misericórdia.” (I Pe 2.9).
 
E assim, o esperançoso sonho de Adão, se realizou.  (Lucas 3.23-38).
 
_____________

Pr. José Edson
Líder da Assembleia de Deus
Ano Bom
Barra Mansa - RJ
E-mail.: joseedsonsouza@uol.com.br
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal