Josué sucede Moisés no seu ministério - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Josué sucede Moisés no seu ministério

Estudos Bíblicos
TEXTO BÍBLICO

“E sucedeu, depois da morte de Moisés, servo do SENHOR, que o SENHOR falou a Josué, filho de Num, servo de Moisés, dizendo: Moisés, meu servo, é morto; levanta-te, pois, agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, à terra que eu dou aos filhos de Israel. Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu disse a Moisés”   (Josué 1:1-3).

PREÂMBULO

Entenda neste artigo o que motivou o Senhor confiar a Josué a sucessão ao grande líder Moisés na peregrinação do Seu povo entre o Egito e Canaã. Desse artigo podemos aprender uma importante lição quanto à sucessão pastoral na Igreja atual. É o Espírito Santo quem capacita o sucessor, mostrando para o sucedido suas características ministeriais. Em se tratando da obra de Deus, é Ele mesmo, quem capacita, independente do grau de parentesco ou de amizade. É Ele mesmo quem dá para a Igreja os obreiros necessários e capazes de dar continuidade à obra (Ef 4:11).

INTRODUÇÃO
 
Credenciais as mais autênticas foram as  que não faltaram  para Josué suceder Moisés como líder do povo de Deus.  Sua qualificação para isto era a mais completa, visto que Deus para isto já o havia escolhido (Nm 27:18-23).  Ele era uma das duas testemunhas oculares vivas das dez pragas, bem como da libertação do Egito – sua experiência foi adquirida no labor, no dia a dia, com a mão na massa, visto ter sido ele o fiel companheiro e ajudante de Moisés por quarenta anos.  O vislumbre que vemos de Josué antes da morte de Moisés estão associados a importantes eventos da história de Israel. Quando o exército de Israel precisava de um líder, Josué foi comissionado para ser o general (Êx 17:8-9). Quando Deus entregou os Dez Mandamentos a Moisés no Monte Sinai, Josué era o seu acompanhante (Êx 24:13; 32:17). Ainda jovem, foi encarregado do Tabernáculo quando a idolatria do povo fez com que Moisés o removesse do acampamento (Êx 33:11). 

Josué mostrou sua lealdade à liderança quando percebeu que tal fato estava sendo ameaçado (Nm 11:24-29). Em Cades-Banéia Josué foi escolhido para ser o representante de sua tribo, a de Efraim (Nm 13:8, 16). Josué alcançou o título de “Servidor de Moisés” (Êx 24:13; Js 1:1). Os termos servidor e servo são usados alternadamente em referência a Josué (Êx 33:11; Nm 11:28). Enquanto servia como oficial comandante do exército, ele destruiu os inimigos de Israel (Êx 17:13). Nos períodos em que seus irmãos se rebelaram contra Deus, Josué manteve sua fé no plano de Deus. 

Depois de muitos anos de trabalho conjunto, Josué perde seu oficial superior, Moisés. Todavia, ele se manteve em contato com o Senhor, que “falou a Josué, filho de Num” – Quando o nome “Josué” é traduzido para o grego, ele se torna “Jesus” (At 7:45; Hb 4:8). Este nome significa “Salvador”. Em muitos aspectos, este “Jesus do Antigo Testamento” prefigura características do Jesus do Novo Testamento. Não foi registrado nenhum mal contra ele. Ele estava livre de todo desejo de autopromoção ou cobiça; não existe traço de egoísmo que manche a nobreza simples do seu caráter; em todas as circunstâncias ele demonstrou um desejo supremo: conhecer a vontade de Deus. 

Sua principal ambição era fazer a vontade divina. Josué foi um homem de coragem inabalável e perseverança invencível que mostrou profunda confiança diante das dificuldades. Suas ações imediatas lhe deram vitórias. As outras pessoas lhe deram grande honra em função da desconsideração altruísta de seus próprios interesses pessoais. Ele nunca deixou de demonstrar uma profunda  preocupação pelos interesses  daqueles a quem liderava. Desse modo, na plenitude dos tempos, quando Deus precisava de um homem bem preparado, Ele escolheu Josué. O Senhor encontrou naquele homem alguém que ouviria Suas instruções. Josué era alguém que cumpriria suas tarefas. Estas qualidades de caráter tão associadas à disposição de Josué são sempre aprovadas por Deus. Os anos de treinamento de Josué  o haviam preparado para esta missão específica. Os planos e os propósitos de Deus teriam sequencia. Fica óbvio aqui que o programa de Deus excede o tempo de vida de qualquer homem.

CONFIANÇA

Além disto, dos doze espias, somente ele e Calebe mostraram completa confiança de que Deus o Pai os acompanharia até a conquista da terra prometida. Seu apoio a Moisés, sua dedicação por quarenta anos o qualificava como um homem preparado em todos os aspectos para assumir o comando da nação. Que privilégio!

CONCLUSÃO

Que reconhecimento da parte de Deus! Quantas credenciais legitimamente autenticadas! Não precisou de campanha política. Deus votou nele, e quando Deus vota favorável o candidato tem cem por cento de aprovação.  Josué não foi aprovado por aparência física e nem por grande poder aquisitivo; como não foi aprovado simplesmente por ser um homem corajoso e de boa índole. Josué foi aprovado por Deus por algumas destas qualidades citadas acima, mas, o que na verdade o qualificou para o serviço foi: sua fidelidade, seu interesse, seu desprendimento das coisas materiais, sua humildade, sua dedicação ao serviço e às pessoas, sua coragem, sua abnegação, seu respeito a Deus e a experiência que adquiriu servindo seu líder Moisés.

Jorge Albertacci

Pastor Emérito da Catedral das Assembleias de Deus do Retiro. 
Rua Engenheiro Joaquim Cardozo, nº 448 - CEP  27281-360 - Bairro Retiro - Volta Redonda – Rio de Janeiro.
No Dia do Trabalho do Ano de 2014.

BIBLIOGRAFIA

Bíblia Sagrada – SBB – Edição RC/1995.
Comentário Bíblico Beacon – Volume II – Velho Testamento.
CPAD – Casa Publicadora das Assembleias de Deus – Rio de Janeiro – Brasil.



 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal