Amor, Perdão e Abnegação - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Amor, Perdão e Abnegação

Pastorais
____________
 

INTRODUÇÃO
 
Perdoar o que é perdoável é muito fácil e não soma quase que nada – Agora perdoar o que é imperdoável, aí sim, aí não soma tanto, mas, o normal – Mas também quem não perdoa o imperdoável, não está apto para ORAR A DEUS.
 
DO QUE DEPENDE NOSSA CONTRIBUIÃO
 
“Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma cousa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta." - Mateus 5:23-24.
 
JESUS DISSE
 
“E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas” – (Marcos 11:25).  “Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis” – (João 13:34).
 
“Eu, porém, vos digo: amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem,  para que sejais filhos do Pai que está nos céus; porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons e a chuva desça sobre justos e injustos.  Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?" – (Mateus 5:44-47).
 
AS CONDIÇÕES
 
Partindo do princípio traçado por Jesus nos três textos bíblicos acima e somados à abnegação orientada no texto a seguir, conteúdo de Mateus 16:24-27:  “Então, disse Jesus aos seus discípulos: se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-me;  porque aquele que quiser salvar a sua vida perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim achá-la-á.  Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?  Porque o Filho do Homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e, então, dará a cada um segundo as suas obras.”
 
QUANDO REALMENTE CONVERTEMOS
 
Quando deixamos de lado todo comportamento egoísta e perdoando incondicionalmente, sem circunstâncias, podemos observar: agora estou com a fé no tamanho de um “grão de mostarda” – AGORA SIM, AGORA POSSO ORAR! E em nome de Jesus, ordenar a um problema que saia da vida daquele que sofre e a pessoa fica liberta. Ou da mesma forma falar à montanha: transporta-te daqui para o outro lado e em nome de Jesus isso acontece.
 
O REFERENDUM DE JESUS
 
“Porque em verdade vos digo que qualquer que disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhe será feito.  Por isso, vos digo que tudo o que pedirdes, orando, crede que o recebereis e tê-lo-eis.  E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas. Mas, se vós não perdoardes, também vosso Pai, que está nos céus, vos não perdoará as vossas ofensas.” (Mc 11:21-26).
 
CONCLUSÃO
 
A reconciliação não é algo a ser praticado somente entre nós e Deus, mas também para com nossos irmãos. Reconhecemos, que, à semelhança da cruz, também temos duas linhas do fluir da reconciliação: a vertical (o homem com Deus) e a horizontal (entre os homens). O mesmo perdão que recebemos de Deus deve ser praticado para com nossos semelhantes.
 
O perdão (ou a falta dele) faz muita diferença na vida de alguém. A reconciliação horizontal determina se a vertical que recebemos de Deus vai permanecer em nossa vida ou não. A palavra de Deus é clara quanto ao fato de que se não perdoarmos a quem nos ofende, então Deus também não nos perdoará. Foi Jesus Cristo quem afirmou isto no ensino da oração do Pai-nosso: 
 
“Porque se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas”. - Mateus 6:14-15
 
Deus tem nos dado seu perdão gratuitamente, sem que o merecêssemos, e espera que usemos do mesmo espírito misericordioso para com quem nos ofende. Se fluímos com o Pai Celestial no mesmo espírito perdoador, permanecemos na reconciliação alcançada pelo Senhor Jesus. Contudo, se nos negamos a perdoar, interrompemos o fluxo da graça de Deus em nossa vida, e nossa reconciliação vertical é comprometida pela ausência da horizontal. Cristo também nos advertiu com clareza sobre isto em uma de suas parábolas (faladas num contexto que envolvia o perdão): Mateus 18:23-35.

____________
 

NOTAS BIBLIOGRÁFICAS
Entendendo o Perdão - Luciano P. Subirá – ORVALHO.COM

 
Pr. Jorge Albertacci
Assembleia de Deus do Retiro
Volta Redonda
Rio de Janeiro
 
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal