O Sermão Com a Preseça do Sal - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Artigos II
O SERMÃO QUE SOFRE INSPIRAÇÃO DO SANTO ESPÍRITO DE DEUS 
COM ALGUMAS OCORRÊNCIAS BÍBLICAS SOBRE O SAL
 ___________________

_ Esdras 6:9 E o que for necessário, como bezerros, e carneiros, e cordeiros, para holocausto ao Deus dos céus, trigo, sal, vinho e azeite, segundo o rito dos sacerdotes que estão em Jerusalém, dê-se-lhes de dia em dia, para que não haja falta;
 
­­­­­_  Esdras 7:22 Até cem talentos de prata, e até cem coros de trigo, e até cem batos de vinho, e até cem batos de azeite, e sal sem conta.
 
­­_ Ezequiel 43:24 E os oferecerás perante a face do SENHOR; e os sacerdotes deitarão sal sobre eles e os oferecerão em holocausto ao SENHOR.

_ Mateus 5:13 Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens.
 
_ Marcos 9:49 Porque cada um será salgado com fogo, e cada sacrifício será salgado com sal.
 
_ Marcos 9:50 Bom é o sal, mas, se o sal se tornar insulso, com que o adubareis? Tende sal em vós mesmos e paz, uns com os outros.
 
A alusão que faço ao sal é propositalmente para demonstrar sua importância à vida espiritual e física do ser humano. Nada mais do que vinte e seis vezes aparece o sal na ARC – SBB/1995. São poucas vezes, mas, sua eficácia é grande e dentre estas apresento aqui apenas sete:
 
_  Este é elemento que equilibra dá sabor;
 
_  Evita apodrecer;
 
_  Provoca sede;
 
_ Está sempre presente nos sacrifícios que se presta a Deus.
 
_ Tanto na Velha como na Nova Aliança;
 
_ Na Velha Aliança ele estava presente em um recipiente apropriado;
 
_ Enquanto que na Nova ele está literalmente em nosso corpo físico, que é o templo de Deus na terra.
 
Quando o orador tem sua palavra temperada com sal, seu auditório sempre está disposto a ouvir mais, porque ele provoca a sede de ouvir (Amós 8:11).

SEM SAL É MELHOR APOIAR SOBRE UM PÉ SÓ

Há um provérbio que diz que é bom que o orador quando for falar para um auditório, que ele se apoie sobre somente um dos  seus pés, a fim de que ele se canse antes dos seus ouvintes se cansarem.

QUANDO HÁ SAL

Todavia, se o orador tiver sal em suas palavras, jamais ele enfadará seu auditório. Porque com a presença do sal há tempero; há equilíbrio, há sabor,  há vida e consequentemente há sede. (Êxodo 30:35;  Levítico 2:13; Números 18:19; 2 Reis 2:20; 2 Reis 2:21; Esdras 7:22; Ezequiel 43:24; ; Amós 8:1; Mateus 5:13; Marcos 9:50; Lucas 14:34; João 4:7-15).
 
PREPARO
 
Antes que o obreiro exponha para o público seu sermão ele deve falar primeiramente com Deus, pedindo para que suas palavras sejam temperadas sal, e para que Deus assuma o primeiro lugar em sua vida, dispensando a ele a unção do seu Santo Espírito. Partindo deste ponto ele deve então fazer um primoroso estudo, usando materiais próprios, como a Bíblia, é sempre bom que o obreiro tenha à sua disposição as versões Revista e Corrigida – SBB/1995; uma Revista e Atualizada – SBB; um Dicionário Bíblico; uma Pequena Enciclopédia de Orlando S. Boyer e se possível outros livros do gênero que são encontrados na CPAD – Casa Publicadora das Assembleias de Deus.

CONCLUSÃO

Quebrar a monotonia é de suma importância durante a exposição do sermão. Isto pode ser feito através de ilustrações, todavia, sempre com casos verídicos e vivenciados no dia a dia. As ilustrações, além de quebrar a monotonia ainda ajuda na compreensão da parte dos ouvintes. Volto a afirmar: desde que estas não sejam mentirosas

___________________


Jorge Albertacci
Pr. Emérito
Assembleia de Deus em Volta Redonda 
Rio de Janeiro
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal