Vós Sois o Sal da Terra - Reunião de Obreiros - 31/01/2000 - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Vós Sois o Sal da Terra - Reunião de Obreiros - 31/01/2000

Teologia do Obreiro II
___________

Reunião de Obreiros
31/01/2000
 
Vós Sois o Sal da Terra
Mateus 5:13-16
 
INTRODUÇÃO
 
Jesus veio a este mundo para restabelecer a aliança que havia sido quebrada entre entre o homem e Deus, o próprio Criador. Ele veio e viveu em um mundo hostil, onde cada um seguia pelo seu próprio caminho e ao seu bel-prazer, ao arrepio de todos os preceitos estatuídos por Deus. Tanto que para Ele reatar os laços entre o Criador e a criatura teve que submeter  Sua própria vida à pior das mortes que um ser humano poderia sofrer. Se não fosse as misericórdias de Deus, a humanidade toda estaria irremediavelmente perdida. No Livro do Profeta Isaías 53:3-5 (NVI) fala do Seu sofrimento: Foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de tristeza e familiarizado com o sofrimento. Como alguém de quem os homens escondem o rosto, foi desprezado, e nós não o tínhamos em estima. Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças, contudo nós o consideramos castigado por Deus, por ele atingido e afligido. Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados.”
 
ESBOÇO

1. Cumpriu Seu ministério de forma cabal e voltou para a destra de Deus Pai. Voltou a assumir o Seu lugar no Céu. Mas no período em que esteve no mundo conseguiu contigiar a humanidade inteira com Sua graça. Ele veio para promover o equilíbrio entre Deus e o homem.
 
2. Deixou os Seus discípulos incumbidos de, com equilíbrio, manter a boa ordem, prosseguindo com o Santo Ministério e para isso delegou-lhes poder e autoridade, sobre totas ações do mal, sobre todas as artimanhas de satanás Lc 10 - Mt 28 - At 1:8 - Estamos todos nós os servos do Senhor preparados e armados para o trabalho.
 
3. Em Mt 5:12 está escrito:  Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.Estas palavras tem como objetivo encorajar os Seus obreiros no exercício do ministério da evangelização e o cuidados para com os novos convertidos e com os necessitados.
 
4. Em Mateus 5:13 Ele disse: Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens.Com esta qualificação como sal, Ele espera que Seus discípulos sejam elemento para os seguintes fins:
 
a) Elemento de preservação: para que este mundo carnal e deteriorado pelo pecado esteja livre do apodrecimento total. O sal preserva a carne e seus derivados aos montões e por muito tempo nos supermercados. Os peixes e muitos outros alimentos, como legumes, ovo, verduras leite, e seus derivados e muitos outros;
 
b) Elemento de equilíbrio: o sal, equilibra o sabor da nossa alimentação e equilibra nosso corpo para vivermos com saúde (Jó 6:6; Marcos 9:50);
 
c) Elemento que provoca sede: O sal provoca sede de ouvir mais e mais  da Palavra de Deus (Oséias 2:3; Mateus 5:6, João 7:37);

d) Elemento de tempero: O sal tempera quase tudo que usamos como alimento para o nosso corpo físico;

e) Elemento para a pregação: O sal não pode faltar na mensagem do pregador do evangelho - Colossenses 4:6  “A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um.

f) Elemento presente nas ofertas: O sal sempre esteve presente nas ofertas oferecidas ao Senhor, na Velha Aliança: “E toda a oferta dos teus manjares salgarás com sal; e não deixarás faltar à tua oferta de manjares o sal do concerto do teu Deus; em toda a tua oferta oferecerás sal.” (Levítico 2:13).
 
5. A ilustração dos policiais que em defesa do cidadão, lidam dia e noite somente com o mal. Como autoridade, armados - têm neste aspecto mais probalidade para errar do que o cidadão comum, porque eles lidam somente com o que exige cuidado, além de suas próprias vidas, com as dos outros também. Se o policial não tiver equilíbrio, ele pode ser preso assim como um cidadão comum. Para exercer a profissão, a vida do policial está sempre em jogo, sempre esposta aos maiores perigos, daí a probalidade de errar e pagar por isto. Da mesma forma o pregador e ensinador: sua vida é falar, falar pregando, falar ensinando, falar aconselhando, falar recomendando, falar em público, falar em veículo de comunicação, falar no cofessionário e falar administrando. Por este motivo ele está sempre sujeito a errar e qualquer palavra que mesmo ivoluntariamente ferir alguém pode lhe custar caro perante as autoridades. Qualque omissão do deve ser públicado ou exposição do que lhe fora revelado no cofessionário pode lhe custar uma queixa crime. 

EQULIBRIO NECESSÁRIO NA VIDA DO OBREIRO
 
1. Eis que Eu vos mando como cordeiros no meio de lobos. Lc 10:3: 

Isto é diferente de sermos enviados com lobos no meio de cordeiros. É dever do obreiro do Senhor tratar as ovelhas do Senhor como ovelhas que são, e os lobos, com todo cuidado.
 
2. Portanto sede prudentes com a serpente e símplices como a pomba . Mt 10:16:
 
“Serpentes e pombas – duas criaturas com pouco em comum. E, no entanto, no desenvolvimento do nosso caráter, devemos ser “como” elas são em alguns aspectos. É um bom paradoxo, não é? Muito do caráter do cristão é um paradoxo. Por exemplo:  Devemos controlar nossas línguas (Tiago 3:1-12) mas também ser ousados no falar (Efésios 6:20). Não há virtude numa língua ousada que está descontrolada nem numa língua que é tão controlada que nunca é ousada. Nossas línguas precisam de uma “ousadia controlada” para repreender o pecado tanto publicamente (Gálatas 2:11-21) quanto particularmente (Mateus 18:15). Apesar das consequências poderem ser desagradáveis (Marcos 6:16-18), devemos falar ousadamente, e quando a situação requer, as nossas línguas ousadas devem ser diretas (Mateus 23:15). O medo de dizer uma coisa errada não deve nos impedir de dizer a coisa certa (Mateus 10:26-27). O silêncio nem sempre reflete sabedoria, às vezes simplesmente mostra a covardia.” O texto entre aspas, que inicia com Serpentes e Pombas e termina com covardia é publicação de autoria de David Smitherman em http://www.estudosdabiblia.net.
 
3. A equilibrada oração de Salomão, e a imediata resposta de Deus 1Rs 3:5-13:
 
“E em Gibeão apareceu o SENHOR a Salomão de noite em sonhos e disse-lhe Deus: Pede o que quiseres que te dê.  E disse Salomão: De grande beneficência usaste tu com teu servo Davi, meu pai, como também ele andou contigo em verdade, e em justiça, e em retidão de coração, perante a tua face; e guardaste-lhe esta grande beneficência e lhe deste um filho que se assentasse no seu trono, como se vê neste dia. Agora, pois, ó SENHOR, meu Deus, tu fizeste reinar teu servo em lugar de Davi, meu pai; e sou ainda menino pequeno, nem sei como sair, nem como entrar.  E teu servo está no meio do teu povo que elegeste, povo grande, que nem se pode contar, nem numerar, pela sua multidão.  A teu servo, pois, dá um coração entendido para julgar a teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal; porque quem poderia julgar a este teu tão grande povo?  E esta palavra pareceu boa aos olhos do Senhor, que Salomão pedisse esta coisa.  E disse-lhe Deus: Porquanto pediste esta coisa e não pediste para ti riquezas, nem pediste a vida de teus inimigos, mas pediste para ti entendimento, para ouvir causas de juízo;  eis que fiz segundo as tuas palavras, eis que te dei um coração tão sábio e entendido, que antes de ti teu igual não houve, e depois de ti teu igual se não levantará.  E também até o que não pediste te dei, assim riquezas como glória; que não haja teu igual entre os reis, por todos os teus dias.  E, se andares nos meus caminhos guardando os meus estatutos e os meus mandamentos, como andou Davi, teu pai, também prolongarei os teus dias.”
 
4. A perícia de Salomão diante de um caso delicado: a causa das duas mulheres e a criança viva. 1Rs 3: 25-28:

A grande sabedoria de Salomão foi quase que simultaneamente demonstrada em sua resposta às duas mulheres. Ele disse, “Disse mais o rei: Trazei-me uma espada. E trouxeram uma espada diante do rei. E disse o rei: Dividi em duas partes o menino vivo; e dai metade a uma, e metade a outra.” A priori, tal resposta parecia descabida. Mas, na verdade, o rei precisava tão somente ver a reação das mães. Na sabedoria que tinha adquirido de Deus, ele sabia que a verdade se revelaria devido ao modo como havia respondido. A mulher que era a verdadeira mãe do menino vivo não concordaria com a  proposta do rei em dividir o menino, então ela de boa vontade disse que entregaria o menino à outra mulher, para que não se degolasse. Por outra parte, a mãe cujo menino tinha morrido, e que tinha mudado cruelmente os dois meninos, com frieza respondeu que estaria bem se o rei dividisse ao menino vivo. Era somente isto que o Salomão precisava escutar para que a verdadeira mãe tivesse seu filho em seus braços sem sofrer dano algum, até mesmo porque esta não foi a intenção do rei.

CONCLUSÃO
 
Nós como obreiros da última hora que somos, precisamos estar dentro dos moldes das recomendações que recebemos no dia em que fomos separados para o trabalho, como auxiliar, como diácono e sucessivamente aos demais cargos ministeriais. 1Tm 3:1-13 e Tt 1:5-16. As responsabilidades contidas neste item 5 devem ser observadas por todos os membros do Corpo de Cristo.
___________

Jorge Albertacci
Pastor Emérito da Assembleia de Deus do Retiro
Volta Redonda - RJ
E-mail: prjorgealbertacci@yahoo.com.br
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal