Jerônimo Savanarola, uma Pregador Segundo o Amor de Deus - Estudos Bíblicos

Buscar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Jerônimo Savanarola, uma Pregador Segundo o Amor de Deus

Teologia do Obreiro
PREGANDO COM O CORAÇÃO

Se Jerônimo Savonarola – (1452-1498) – O  Precursor da Grande Reforma, fosse um pregador encrenqueiro, que ao invés de pregar a Cristo o crucificado, com salvação de almas e muitos sinais e maravilhas, ficasse formando questiúnculas com seus contemporâneos, provocando o povo por seu modo de viver, assim como fazem os pregadores modernos, obcecados por dinheiro, em detrimento de uma pregação sadia, jamais ele convenceria o povo, assim como detalhou, o Pastor Orlando Spencer Boyer no seu Best Seller – Os Heróis da Fé, editado pela CPAD na forma a seguir:
 
O povo de toda a Itália afluía, em número sempre crescente, à Florença. A famosa Duomo não mais comportava as enormes multidões. O pregador, Jerônimo Savonarola, abrasado com o fogo do Espírito Santo e sentindo a iminência do julgamento de Deus, trovejava contra o vício, o crime e a corrupção desenfreada na própria igreja.  O povo abandonou a leitura das publicações torpes e mundanas, para ler os sermões do ardente pregador – deixou  os cânticos das ruas, para cantar os hinos de Deus.

Em Florença, as crianças fizeram procissões, coletando as máscaras carnavalescas, os livros obscenos e todos os objetos supérfluos que serviam à vaidade. Com isso formaram em praça pública uma pirâmide de vinte metros de altura e atearam-lhe fogo.  Enquanto o monte ardia, o povo cantava hinos e os sinos da cidade dobravam em sinal de vitória.

Se o ambiente político fosse o mesmo que depois veio a ser na Alemanha, o intrépido e devoto Jerônimo Savonarola teria sido o instrumento usado para iniciar a Grande Reforma, em vez de Martinho Lutero. Apesar de tudo, Savonarola tornou-se um dos ousados e fiéis arautos para conduzir o povo à fonte pura e às verdades apostólicas registradas nas Sagradas Escrituras.

No colégio, era aluno esmerado. Mas os estudos da filosofia de Platão e de Aristóteles, deixaram-lhe a alma sequiosa. Foram, sem dúvida, os escritos de Tomaz de Aquino que mais o influenciaram (a não ser as próprias Escrituras) a entregar inteiramente o coração e a vida a Deus.
 
Quando ainda menino, Savanarola tinha o costume de orar e, ao crescer, o seu ardor em orar e jejuar aumentou. Passava horas seguidas em oração. A decadência da igreja, cheia de toda a qualidade de vício e pecado, o luxo e a ostentação dos ricos em contraste com a profunda pobreza dos pobres, magoavam-lhe o coração.
 
Passava muito tempo sozinho, nos campos e à beira do rio Pó, em contemplação perante Deus, ora cantando, ora chorando, conforme os sentimentos que lhe ardiam no peito. Quando ainda jovem, Deus começou a falar-lhe em visões. A oração era a sua grande consolação; os degraus do altar, onde se prostrava horas a fio, ficavam repetidamente molhados de suas lágrimas.
 

 CONCLUSÃO
 
Isso não se consegue com discussões evasivas, mas, com demonstração do poder de Deus – isso somente se consegue de acordo com o que profetizou Zacarias 4:6: Não por força nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos. E foi exatamente isto que Savanarola fazia: Ele pregava com o coração, e com a alma, dedicando salvação às pessoas.

Pr. Jorge Albertacci

Volta Redonda, 09 de Junho de 2015

 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal